fbpx

Meu Bebê Não Quer Comer

Meu Bebê Não Quer Comer

A hora da Introdução Alimentar chegou… mas o meu bebê não quer comer!!! E agora?

Seguem algumas dicas que podem ajudar muito!

1. LEVE A CRIANÇA A MESA ANTES DE INICIAR A INTRODUÇÃO ALIMENTAR
Compartilhar da companhia da família no momento da refeição (mesmo que o bebê ainda não coma) e fazer desse momento agradável vai despertar curiosidade e o desejo de fazer parte.

2. DEIXE A CRIANÇA “EXPLORAR” A COMIDA
Quando chegar a hora da Introdução Alimentar, deixe ela pegar, cheirar, levar à boca. Aos poucos, ela vai querer provar.

3. LEVE O SEU FILHO À FEIRA (ou ao sacolão), PARA CONHECER O “UNIVERSO” DOS SABORES

4. O INÍCIO É MAIS UM TREINO DO QUE UMA REFEIÇÃO
Mais importante do que se prender ao número de colheradas, é observar a criança no dia a dia para perceber suas preferências.
Se o seu filho rejeitar alguma coisa no início, não se desespere. É MUITO NORMAL. O mesmo alimento deve ser oferecido para a criança ao menos dez vezes, para os pais terem certeza de que ela não gosta. E ainda que não prefira naquele momento, é muito comum mudarem de opinião em um futuro próximo, pois o paladar está em formação. Então, caso alguma coisa não caia no gosto do bebê, dê um intervalo, ofereça outras coisas e depois tente novamente. E está tudo bem não amar uma ou outra coisa, desde que a criança não recuse um grupo inteiro de alimentos (por exemplo, não comer nada de frutas ou nada de legumes).

5. APRESENTE CADA ELEMENTO SEPARADAMENTE
É importante observar reações, intolerâncias e alergias que possam acontecer. Além disso, a criança precisa conhecer o sabor de cada ingrediente. Observe também as preferências.

6. NÃO SEJA INTRANSIGENTE
Seria ideal que a criança amasse cada coisa saudável que fosse oferecida. Mas não precisamos ser intransigentes. Às vezes no processo de adaptação, o problema não é apenas o sabor… pode ser a textura ou a forma como é oferecido. Por isso teste outras apresentações: tente preparar um suflê, misturar ao arroz ou fazer um bolo. Mas não se habitue a camuflar os ingredientes. Sempre ofereça as coisas separadamente no início, pra que a criança conheça cada um.

7. CRIE UMA ROTINA.
Organize os horários das refeições e evite exagero nos lanches para não comprometer o apetite nas refeições principais.

8. RESPEITE A SACIEDADE DO SEU FILHO.
“Raspar o prato” também é coisa do passado. A criança não aprende a reconhecer a própria saciedade, o que mais adiante pode até causar distúrbios alimentares. Por isso, o tamanho da porção depende da fome do seu bebê. Se ele está se desenvolvendo bem comendo a quantidade que come, significa que é o suficiente pra ele. Forçar sempre além do que sacia a criança, muitas vezes faz do momento de comer sempre tenso e desagradável. E isso só piora tudo. Siga atenta ao crescimento e também a evolução do apetite e do paladar dele.

9. MOSTRE ACOLHIMENTO, FIRMEZA E SEGURANÇA.
Faz muita diferença embarcar numa novidade (e a comidinha é uma novidade e tanto pra eles!) com quem parece saber o que está fazendo.

10. NÃO PIRE!
A criança é bem sensível ao seu estado emocional. Tente ser positiva.

Compartilha com alguém que precisa ver isso. E me conta nos comentários o que mais você quer ver por aqui. 
Um beijo e até a próxima! <3

#introduçãoalimentar #papinhasbebê #lanchinhobebê #mamãesinformadas 

Obs.: Essa postagem (e nenhum dos comentários gerados por ela) não têm intenção ou efeito de prescrição, apenas compartilhamento de experiências. Nunca deixe de ser acompanhado/a por um(a) profissional.

Tags: | |

Sem saber por onde começar a Introdução Alimentar?

Baixe Gratis o E-book - 7 Dicas de Como Fazer a Introdução Alimentar do Seu Bebê sem Medo!

Nós não enviamos spam. Seu e-mail está seguro!

0 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *